sexta-feira, 29 de julho de 2011

Caos

Desamparados debaixo de qualquer telhado;
De um teto incerto, já desabado.
                                                                                          -Queda insana.
Vento límpido a espalhar poeira;
Furacão inseguro a juntar à areia.
                                                                                    - Vestígios.
Olhos assustados a empurrarem;
Olhos pecaminosos a si esconderem.
[Desiludido és tu, oh medo] 

A terra molhada de lágrimas está tremendo.
Terremoto dele. Terremoto dela.
São dois. São um. São nada. [Tudo]

Unhas perfurando. Lábios maldizendo.
                                                                             - Caos.
Coração chorando. Corpo morrendo.
                                                                             - Caos.
Morte se arrastando. Alma envelhecendo.
                                                                             - Caos.

Ela é subsídio inconstante.
                        [Ele talvez]
Ela é o medo incessante.
                         [Ele, eu sei]
Lábios a gritarem os destroços.
Lábios a beijarem o ódio.
[E o amor escasso se refez]

Ele é desilusão arremessada.
                            [Ela talvez]
Ele é as partes desenfreadas.
                       [Ela, eu não sei]

Terra estremecendo, teto desabando.
                                                                             - Caos.
Eles se perdendo, amor se encontrando.
                                                                              - Caos.