sexta-feira, 11 de março de 2011

Promessas



Seus olhos juravam
Sua boca conjurava
Seu coração contradizia
Essas palavras mentirosas

Suas mãos tocavam
Esse corpo parado
Deixei-me manipular
Por seu sorriso afável

Emanava de você
Aquele ar de mistério
Pensamentos enganados
Por seus deletérios

Penetraram em meus ouvidos
Falsas palavras malditas
Quase que acreditei
Em suas promessas proferidas

Hoje meus olhos veem
Meus ouvidos ouvem
Que todas suas promessas
Não passaram de palavras
Só faladas, nunca cumpridas!