domingo, 10 de abril de 2011

Moça,


Tens um perfume doce. Mãos com luvas de renda. Olhos que brilham com o sol.
Veste-se com delicadeza. Sapatinhos com fita de cetim no pé, bailando sobre o verde campo.
Ao som do canto dos passarinhos, colhe as flores. Cantarolando algo que meus ouvidos de servo não puderam distinguir.
Mas moça, quando você vai embora, leva-me o coração. E como só ele eu posso dar-te, peço-te que cuide dele como cuida das flores.

De um ninguém que mantém os olhos em você.